Blog

Câncer de tireóide: conhecer o próprio corpo é importante

câncer da Tireóide se manifesta na parte interna da glândula da Tireóide e quase sempre é descoberto pela própria mulher em auto-exames rotineiros, onde detecta através do tato, caroços na região do pescoço, que podem ou não, ser malignos.


O tumor maligno na Tireóide é de natureza rara, mas tratável. Se detectado no início as chances de cura são maiores.

Mas, mesmo com diagnóstico de cura após o tratamento, cerca de mais de 30% das pacientes, sofrem uma recorrência da doença ou seja, se repete após cinco até dez anos a contar do início do tratamento inicial. Daí a importância demonitoramento constante da saúde, mesmo depois da cura

Câncer na glândula da Tireóide


Uma nova manifestação da doença pode acontecer de duas formas distintas: 

Recorrência metálica – quando os tumores reaparecem em diferentes partes do corpo e não propriamente na glândula da Tireóide, podendo se manifestar nos ossos, pulmões, pescoço ou nos nódulos linfáticos.

Recorrência localizada – É a manifestação do tumor no mesmo local, na região da glândula da Tireóide.

O tratamento do câncer de Tireóide é feito com intervenção cirúrgica e radioterapia a base de iodo, a radioterapia. Em casos de recorrências, o tratamento varia de acordo com manifestação da doença. É muito importante que a mulher conheça bem o próprio corpo, para saber quando há algo anormal consigo mesma. Ao perceber isso,, procure imediatamente um médico. No caso de algo estranho no pescoço, o ideal é procurar um endocrinologista para uma avaliação.

Através de exames de Cintilografia, Tireoglobulina e biópsia através de uma punção com uma agulha fina, ele poderá passar um diagnóstico seguro e a melhor forma de tratamento. Feito o diagnóstico, siga corretamente as orientações médicas e todos os procedimentos necessários. É fundamental manter a calma, pois, em qualquer situação de câncer, o estado emocional exerce forte influência no resultado do tratamento.

É importante lembrar que, nem todo caroço é maligno e somente um médico poderá classificá-lo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *